Quarta-feira, 30 de Agosto de 2006

A minha razão de viver

Tu és o Sol da minha vida

A minha razão de viver

És aquela luz tão querida

Que só me faz querer

 

Que nosso Amor não tenha fim

Sim! Tu és aquela

Que tão linda, oh! Tão bela

Eu sempre sonhei p’ra mim

 

E, se há coisa eterna

Que para Nós anseio

Isso chama-se Amor

 

Que de forma tão terna

Se foi impondo e interveio

Acendendo a chama do nosso calor

JG

publicado por etoulixada às 11:41
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Agosto de 2006

Uns poemas de Agostinho da Silva

"nao sei quem manda na vida

 mas quem for eu me entrego

 e o que queira me decida"

 

"Nunca percorri estrada

que não fosse a de egoismo

bem andada

e com cinismo

mas cheguei agora ao fim

não amo os outros por eles

mas por mim"

 

"se perdi ou ganhei no que se vê

não irei dizer eu mas quem me lê"

publicado por etoulixada às 22:23
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Agosto de 2006

Aqui comigo, agora

Gostava de te ter

Aqui comigo, agora

Só p’ra olhar, p’ra te ver

Te contemplar pela vida fora

 

Só o simples contemplar

Do teu belo semblante

Faz o tempo parar

Eternamente nesse instante

 

E tamanho é o desejo

Que arde dentro de mim

Um fogo que só tem fim

 

Quando tua imagem revejo

E dentro do meu coração

Feliz se solta uma oração

JG

publicado por etoulixada às 07:32
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Agosto de 2006

Solidão

“Solidão. Como chegar a realidade deste sentimento, tão esquivo à investigação? Deambulando nos rastos das vivências que lhe dão forma, buscando os seus distintos rostos  nos rostos distintos de quem a vive: mendigos que dormem na rua; vagabundos, esquizofrénicos e consumidores compulsivos; bêbados e alcoólicos, viúvos; idosos e moribundos; amantes virtuais; solitários que se projectam em mundos espirituais; gente que se afeiçoa a animais de estimação; imigrantes clandestinos ... Saberemos pensar a solidão de forma distinta como a pensamos? Saberemos percebê-la através de outros olhares que não apenas os nossos? Saberemos que essas outras formas de saber nos capacitam a ver a realidade de outra forma? ” José Machado Pais in Nos rastos da solidão – Deambulações sociológicas

publicado por etoulixada às 21:53
link do post | comentar | favorito
|

.Um blog só para mim, para quando me sentir em baixo, vir aqui "beber" algo que me alimente a alma, momentos retirados do "meu" baú das recordações...

.pesquisar

 

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.escrevi há pouco

. Foi tudo uma MENTIRA pega...

. Amor é...

. Parabens!!!!

. PEIXINHA

. para ti.....com carinho.....

. Onze minutos

. Pensamento do dia

. Hoje

. A morte e a confissão

. Meu coração parou

.O que escrevi antes

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006