Terça-feira, 31 de Outubro de 2006

Esta falta de ti....

Quando a noite chega, as luzes apagam-se, o programador da TV actua e .... só escuridão, e esta falta de ti surge bem lá no fundo do meu intimo, choro baixinho, choro porque não tenho com quem desabafar, mas há algo que me mostra que tu estás ali comigo, e sinto o teu choro, choramos os dois como que repartíssemos todos os males do mundo que pesam nos nossos ombros, choramos pelos infelizes que pensam que são detentores da felicidade, choramos por aqueles que não vivem o presente a pensar no amanhã, choramos pelos mal amados que pensam que têm o amor de quem não existe. Não precisamos de palavras, ambos sabemos a razão dos nossos choros. Acordo e o meu rosto ainda está húmido, e mais uma noite passou, esta falta de ti permanece, porque no silêncio da noite "falamos" de tudo mas ainda muito ficou por "falar", e sigo, serena e confiante, para mais um dia porque sei que quando me sentes chorando tu vens para partilharmos esta tristeza, entre nós não é necessário palavras, porque ambos sabemos porque choramos.

sinto-me:
publicado por etoulixada às 09:23
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Outubro de 2006

Sem dizer adeus

Hoje quero estar no silêncio, hoje estou contigo ( no pensamento)...

"Aqui

O verão já se acabou

O outono já chegou

E tu não estás

Tu já não estás

E tanto em nós mudou

Aqui

Motivos p’ra sorrir

Não são iguais sem ti

Há dor a mais

Saudade a mais

Por teres partido assim

Sem dizer adeus

Sem ninguém esperar

Veio aquela madrugada

Teu caminho se acabava

Sem dizer adeus

Sem ninguém sonhar

Teu destino fez a hora

E tão cedo, foste embora

Sem dizer adeus

Aqui

A vida vai seguir

Mas faltas tu aqui

Em todos nós

P’ra todos nós

Por teres partido assim"

sinto-me:
publicado por etoulixada às 12:25
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Outubro de 2006

Dias de incerteza

“Há momentos em que o desespero é tão grande que deixamos de conseguir fazer seja o que for, a não ser flutuar ao longo dos dias. Vemos na nossa frente a repetição dos nossos erros, como se a vida se encarregasse de nos bater, e voltar a bater, e trazer-nos de volta todos os fantasmas e medos. Seja pela falta de dinheiro. De amor, de realização pessoal, seja pelo sentimento de injustiça,ou solidão, ou tão-somente porque de repente olhamos para o que fizemos até hoje e descobrimos que não foi como deveria ser, como sonhámos. E, contudo, trabalhámos arduamente, fomos correctos para com os outros, demos o nosso melhor enquanto marido ou mulher, pai ou mãe,, enfim, tentámos proceder de acordo com os princípios que nos elevam à qualidade de pessoa recta. E o que nos devolveu a vida? Na incerteza do dia de amanhã, a insegurança sobre o sermos capazes, numa sociedade em que tudo é descartável, cada vez mais cedo e mais depressa. Olhamos à nossa volta e sentimo-nos impotentes para falar,. E por isso escondemos a tristeza no fundo do nosso coração e tentamos desesperadamente agradar a todos, justificar tudo o que pensamos, e acabamos a pedir desculpas por estar vivos. Os tempos estão difíceis. A crise económica não é nada comparada à crise da amizade, do saber que podemos estender a mão e alguém estará lá para nos amparar. Abençoados os que têm fé. Aqueles que acreditam que um ser superior olhará por eles. A todos os outros, resta apenas um dia após o outro.” Luisa Castel-Branco in “Destak” em 10 de Outubro de 2006.

publicado por etoulixada às 07:50
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Outubro de 2006

Pessoas como nós - I

“Estou farta de brincar às mães perfeitas, às mulheres de sucesso, às actrizes de talento, às pessoas boazinhas e queridas que têm sempre tempo para ouvir os outros e os ajudar (...) Verónica chamava-me “Madre Teresa”, quando me queixava. “Andas sempre a pensar nos outros para não pensares em ti, não é?” Puta, acerta sempre.  Há quase vinte anos que me ouve, me atura, me trava as inseguranças, me acalma os nervos, me limpa as lágrimas e me lambe as feridas. Habituei-me a não dar um passo na vida sem lhe perguntar, mesmo que depois faça tudo ao contrário. Como fiz com o Zé Pedro.(...) quando o Zé Pedro me pediu em casamento (...) de joelhos, muito atrapalhado, com um anel piroso a chamar por mim (...) e me derreti como um gelado em cima de um radiador porque era a primeira vez que alguém me pedia em casamento, a Verónica disse tem cuidado, ele está velho e cansado, vai-te sugar a juventude, a beleza e o talento (...) e eu, a Jane Birkin nacional, apaixonada pela maturidade, pela experiência, pelo charme do senhor realizador que via em mim uma estrela (...)“vamos  construir o mundo, tu és a minha diva, a minha deusa, a minha Tàgide, vou fazer muitos filmes por ti e para ti” aos vinte anos achava que o mundo devia de ser um lugar melhor do que aquele r/ch onde crescera, entalada entre o medo do dia seguinte e o cheiro a lixívia, quando a minha mãe saía do seu habitual torpor e lhe dava para ter ataques de limpeza (...) o sorriso cínico da Maria do Carmo a ver quando é que eu deixava cair alguma coisa ou fazia uma nódoa para dizer logo, muito alto e com muita clareza, numa voz de menina de colégio particular, adocicada de veneno: “está a ver, mãe, como ela é desastrada? (...) eu calada, sempre calada, sem lhe conseguir responder, era a minha irmã mais velha (...) queria ser amiga dela, nunca consegui (...) nunca se interessou por mim e sei muito bem porquê. Ciúmes do meu pai. Ciúmes das entradas triunfais, a chegar do “serviço”, como lhe chamava, a atirar com a pasta e o sobretudo ao chão para me agarrar e me levantar como uma pena: “Como está a minha princesa linda?” e a lambuzar-me de beijos, ignorando a minha mãe, baça com os calmantes, e a Maria do Carmo, a torcer a ponta da saia da farda do colégio e a espumar de raiva (...) a minha mãe servia para encher o prato de comida, manter as camisas engomadas, a casa limpa e os sapatos engraxados (...) batia-lhe à nossa frente e depois batia na Maria do Carmo porque ela se punha no meio, enquanto eu me encolhia e pedia a Deus que nunca me deixasse crescer muito, para ele não se lembrar de me bater (...) mas eu nunca quis ser actriz, como todas as crianças, sonhava ser cantora (...) a ideia do conservatório foi ideia do meu pai (...) coitado do meu pai, que fora figurante em filmes e sonhara com o estrelato, amarrado atrás de uma secretária sebosa da repartição, onde, vim a descobrir anos mais tarde, que conseguiu dormir com quase todas as mulheres do edifício e subiu nas letras da função pública à conte do seu irresistível charme de actor falhado. Deve ter sido por nunca ter pisado um palco que decidiu fazer da sua vida uma encenação permanente, daí os desequilíbrios, as mudanças de personalidade, os desvios, os ataques de loucura (...) eram as mulheres que ficavam doidas, os homens sempre gozaram de uma imensa impunidade neste país de machos latinos que lhes granjeou a liberdade para fazerem tudo o que quisessem sem que nunca ninguém lhes apontasse o dedo, enquanto as mulheres, à mínima manifestação de diferença, eram segregadas, apontadas como loucas ou desequilibradas e marginalizadas pela própria família, pelas falsas amigas e pela sociedade. O meu pai podia ter internado a minha mãe, se quisesse. Hoje olho para trás e tenho a certeza de que isso lhe passou pela cabeça. Não suportava a presença física dela, torpe e desajeitada. Mas foi sempre um fraco, sempre precisou dos cozinhados, dos vincos nas calças (...) quando ela não andava encharcada em calmantes, porque era preciso (...) a família da Verónica (...) tudo bate certo, ninguém fala alto, a mãe nunca levantou um dedo para dar um tabefe a nenhum filho, o pai nunca chegou bêbado a casa nem tarde para jantar (...) a casa dos pais da Verónica é o símbolo do status que a família tem na sociedade (...) a primeira vez que a Verónica me convidou para almoçar com os pais, há muitos anos, eu tinha acabado de me casar com o Zé Pedro numa das salas do Castelo de S. Jorge (...) o Zé Pedro apanhou uma bebedeira descomunal e foi encontrado na casa de banho aos linguados com uma actriz muito alta, morena (...) tão antipática comigo e tão viscosa com o Zé Pedro.  Quem os apanhou foi a Verónica, mas não me contou logo, só uns meses depois, quando comecei a ter problemas com o Zé Pedro e ela achou que era bom eu conhecer a mãe dela e ouvir os seus sábios conselhos (...) a Verónica é uma mulher segura, feliz, focada no que quer e no que sonha, uma mulher com sorte. Devia de ter mais amigas assim, normais, equilibradas, em vez do bando de doidas que gravita à minha volta, que ressuscitaram quase de repente, mais ou menos ao mesmo tempo em que comecei a ter a merda do sucesso por causa da merda da série de televisão onde faço de professora cega, e comecei a ganhar a merda do dinheiro que me fez pensar que ia ser rica e me pus a comprar esta merda de casa imensa, perdida no meio desta quinta húmida desta merda da Serra de Sintra onde o verão passa mais ou menos dez dias por ano (...) o absurdo da realidade a que vou assistindo acaba por me anestesiar e com um gin tonico por companhia fica tudo mais fácil e é então que o Duarte entra em casa com a trunfa a tapar-lhe a vergonha do acne, mas sobretudo a vergonha de ser filho daquela actriz  que dá tesão de borla aos pais dos amigos do colégio porque já fez três vezes de prostituta em longas-metragens, graças ao génio do ex-marido, que conseguiu realizar sempre o mesmo filme, com a mesma história, sem nunca ninguém ter reparado, e que, por isso, é hoje considerado uma referência obrigatória no panorama do cinema português (...) a grande ironia de tudo isto é que a puta da história sempre foi o Zé Pedro, uma autêntica puta na minha vida. Durante mais de dez anos conseguiu sacar os subsídios porque toda a gente sabia que a actriz principal era eu, e que por isso os filmes iam ter audiência. E ele sempre muito paternal, muito protector, eu vou fazer de ti a maior actriz deste país, eu vou-te dar o mercado português. E eu muito estúpida, muito ingénua, a achar que tinha tido imensa sorte porque o senhor realizador, o nome mais importante do cinema nacional, me tinha escolhido para sua diva, sua musa, sua fonte de inspiração (...) coitado do Zé Pedro (...) hoje, tudo o que mais odeio num homem está vivo nele (...) o seu mau perder, misturado com os dentes estragados e o hálito insuportável a álcool, afastou-o das pessoas de sucesso (...) anda por aí, aos caídos, a queixar-se da sua triste sina a quem tiver paciência para o ouvir, enquanto me chama puta entre dentes (...) mas a culpa é minha, foi sempre minha, porque quem não quer ser puta também não lhe veste a pele.” Margarida Rebelo Pinto in Pessoas como nós

publicado por etoulixada às 21:21
link do post | comentar | favorito
|

.Um blog só para mim, para quando me sentir em baixo, vir aqui "beber" algo que me alimente a alma, momentos retirados do "meu" baú das recordações...

.pesquisar

 

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.escrevi há pouco

. Foi tudo uma MENTIRA pega...

. Amor é...

. Parabens!!!!

. PEIXINHA

. para ti.....com carinho.....

. Onze minutos

. Pensamento do dia

. Hoje

. A morte e a confissão

. Meu coração parou

.O que escrevi antes

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006