Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2008

A morte e a confissão

 

"Qualquer cidadão, com uma boa saúde mental, pode decidir cometer um crime. Ou não cometer crime nenhum. Com uma excepção. Todos somos capazes de matar. voluntária ou involuntariamente, querendo ou cometendo actos que, mesmo não desejando que se cumpra o resultado de matar, acabam por trazer a morte. É duro viver com a morte do outro na memória e na consciência. Mesmo os assassinos mais cruéis, na sua maioria, acabam por confessar esse peso negro que lhes habita a alma.

Alguns, já julgados, com sentenças cumpridas, têm necessidade de falar sobre o que lhes aconteceu. Recebi algumas cartas dessas, anos depois de terminar um processo. A morte mesmo natural, sobretudo quando se trata de alguém que amamos, é sempre uma perda. E mesmo em homicídios ou mortes acidentais essa sensação da expropriação do que mais essencial nos constrói – a vida – transforma-se em dor, luto, mágoa que não é facilmente superável, por mais que se esconda ou se negue. É uma omnipresença constante. Uma ferida perpétua, que ora dói ora se esquece, mas que regressa sempre. Como saudade ou remorso. Quem mata outro, mesmo acidentalmente, vive reprimindo essa necessidade de ser censurado. A nossa cultura, de inspiração judaico - cristã, inoculou o valor da vida como bem supremo. "NÃO MATARÁS" está inscrito nos alicerces da nossa forma de entender a vida, o Mundo, as relações com os outros. A culpa, mesmo clandestinizada, vai prolongando agonias que se projectam nas relações sociais e afectivas.

A emergência da conflitualidade, de formas agressivas expontâneas, de psicopatologias, enfim, a desagregação psicoafectiva acaba por, mais dia, menos dia, mais ano, menos ano, levar culpados ao confronto com o seu mal – estar. Se falarem, nem que seja no confessionário, as penitências eclesiais são almofadas que apazigua o sofrimento.

Não é possível viver com a morte e não a rejeitar. Em dia e hora que desconhecemos, iremos morrer e todos ansiamos o mítico sonho da imortalidade. É uma pulsão que não aceita segredos. Quando acontecem, vão destruindo quem os guarda. Até que já não é possível guardar essa carga de sofrimento."

 

Francisco Moita Flores – Criminologista in Piquete de 08 de Fevereiro de 2008

 

 

publicado por etoulixada às 13:53
link do post | comentar | favorito
|

.Um blog só para mim, para quando me sentir em baixo, vir aqui "beber" algo que me alimente a alma, momentos retirados do "meu" baú das recordações...

.pesquisar

 

.Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.escrevi há pouco

. Foi tudo uma MENTIRA pega...

. Amor é...

. Parabens!!!!

. PEIXINHA

. para ti.....com carinho.....

. Onze minutos

. Pensamento do dia

. Hoje

. A morte e a confissão

. Meu coração parou

.O que escrevi antes

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006